Bob_9

Biografia


Santa Monica, EUA, 1947

O Brasil e a Bacia do Rio Amazonas têm sido o objeto e a inspiração do meu trabalho por mais de vinte e dois anos. Formas naturalistas semelhantes a colméias, vértebras, casulos, formigueiros, formas de plantas e insetos estão dispersas na superfície do meu trabalho. O Rio Amazonas é uma metáfora apropriada para o ato de desenterrar memórias de objetos e visões, colhidos em viagens através de seu curso acidentado.

Meu trabalho transcreve a memória desses objetos e as impressões do que foi visto e sentido. No seu fluir, o rio traz um objeto para a superfície, para em seguida engoli-lo novamente e fazê-lo ressurgir mais à frente. Minha palheta fica muitas vezes tolhida sob uma camada de escuridão, sugerindo mistério. Estas impressões constituem a memória de um rio contido em ambas os lados por uma floresta alta e escura; intimidante e linda. Quando a floresta abraça você, ela o abraça como um todo.

Visitando a região três ou quatro vezes por ano, constato que a paisagem tem diversos humores. Estas novas pinturas mostram o contraste e o conflito entre a beleza da Amazônia e sua permanente destruição. O homem moderno vê a floresta como uma enorme riqueza – mas ao mesmo tempo testemunhamos seu esgotamento. Diferentemente dos grupos indígenas, que ali vivem em harmonia há gerações, nós ainda não conseguimos encontrar o equilíbrio necessário que proteja esta riqueza para o futuro.